Cleonices

coisas da cleo

Arquivo da tag: fashion

Meses de abril e maio exigem criatividade na hora da produção

Enquanto as araras das lojas mostram coleções de inverno, o clima quente faz esquecer que já é outono. A meia estação sempre foi uma época difícil para escolher o que vestir. É preciso eleger tecidos certos e melhores modelagens para não passar aperto ao longo do dia que muda constantemente de temperatura. Veja dicas de peças que valem a pena investir nessa época.

 Macacão     

Versátil o macacão transita bem em todos os ambientes. Se o frio chegar, as opções lisas são apostas certeiras para combinar com casacos e sobreposições.

Shape fluido

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Comprimento longo e mangas ¾ são escolhas ideais para usar quando as temperaturas caírem. Porém, os dias quentes ainda pedem leveza nas produções. O shape fluido garante frescor e charme para o look dia-a-dia.

Blazer

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Mais do que uma necessidade de se proteger do vento, o blazer já virou elemento de moda. Além de ser uma aliada para quando o frio chegar, a peça compõem com elegância as produções de verão.

Sobreposição

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Fazendo as vezes de um casaquinho leve, a sobreposição de renda ou malha podem levadas a tira colo durante a rotina diária. Além de compor bem o look, o item pode virar imprescindível para um fim de tarde.

Vestido com manga

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Tem gente que não abre mão de deixar as pernas à mostra nem no inverno. Os vestidos com manga comprida equilibram o visual e protegem das mudanças de temperatura.

Blusa manga comprida + short         

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Seguindo a linha das opções de perna de fora, os shorts viraram queridinhos das fashionistas e passaram a aparecer em todas as estações. Combinados com blusas de mangas compridas, o look se torna mais sofisticado. Ideal para a meia estação.

Elie Saab, Balmain Gucci, Bobô, Balanciaga… O que não faltaram nas passarelas dos previews de inverno 2016 pelo mundo foram marcas que investiram no romantismo. Com rendas, cores e flores como apostas, as labels – cada uma à sua maneira – reapresentaram a proposta.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Os tecidos fluidos, o plissado e os elementos bem femininos, como laços, bordados e babados formam uma produção clássica. A composição com alfaiataria ou inspiração militar cria um contraponto atual com ar fashionista. Lado a lado com a feminilidade, os looks românticos valorizam a delicadeza sem cair nos clichês.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

catalogo_Cleo_AW_16.indd

As camisas com gola laço, muito usadas na década de 1970 estão fortes nessa temporada. A versatilidade do item vai do laçarote volumoso ao nó simples. Adotada como um recurso de styling, a gola passa a protagonizar produções cheias de charme.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Dizem os manuais de conduta que a regra é clara: decotes, pernas de fora e transparência não combinam com o mercado de trabalho. Mas será que nas corporações o dresscode tem que se resumir apenas a calças, saias midi, golas e zero transparência?

O que se vê atualmente é que as mulheres estão muito criativas em relação ao modo de se vestir no dia a dia empresarial. Aliando elegância e até uma sensualidade sem abrir mão da seriedade que o ambiente pede, é possível montar looks bem estilosos.

De acordo com pesquisa realizada pela empresa de recrutamento OfficeTeam, a maior parte dos executivos acredita na influência da roupa usada nas chances de o profissional ser promovido. A dica para quem quer uma recolocação ou almeja cargos superiores é apostar em peças que passem uma mensagem condizente ao local de trabalho, mas que fale um pouco sobre si, mostrando personalidade.

Para os dias mais quentes, a saia lápis é uma opção excelente à calça. Clássica e elegante, ela pode ser usada com uma tshirt para os ambientes mais descolados ou uma camisa social para os mais sérios, ou durante uma reunião. Os shorts de alfaitaria são menos despojados que os jeans, mas só devem ser usados em empresas que não sejam tão rigorosas nesse quesito.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Os decotes não estão proibidos, desde que seja respeitado o seu tamanho. Os profundos, na frente ou nas costas, devem ficar para as produções de balada. Na empresa, opte pelos mais comportados ou use uma camiseta básica por baixo dos mais ousados. Um maxi colar também ajuda a deixar o corpo menos à mostra.

catalogo_Cleo_AW_16.inddcatalogo_Cleo_AW_16.indd

Já para quem quer apostar nas transparências, a dica é que ela esteja em lugares que chamem menos atenção, como ombros e braços. Aplicações de renda ajudam na proposta e ainda reforçam a elegância da peça.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

catalogo_Cleo_AW_16.indd

As mulheres tiveram papel fundamental durante a Segunda Guerra Mundial, quando serviam aos seus países como soldados ou enfermeiras, enquanto seus companheiros eram combatentes. Como a rouparia era claramente masculinizada, elas tinham as peças adaptadas às suas silhuetas, o que as deixavam um pouco mais curvilíneas, acompanhando o shape feminino.

Por volta dos anos 1940, esses itens passaram a influenciar a produção e nunca mais saíram de moda. Essa lembrança militar está presente nas roupas até hoje, seja no comprimento das saias e vestidos, nas cores fechadas – presentes principalmente no inverno, ou nos detalhes de cada peça. O que se vê hoje é um mix interessante de componentes que remetem de alguma forma o passado dessas mulheres com peças descoladas. E, claro, é possível, de acordo com o estilo de cada uma, usar um look completo e apostando em um coturno para fechar a produção sem perder a feminilidade. Fazer boas escolhas é essencial para criar esse mood.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Cores – O verde, o caqui, o marrom… Os tons terrosos são os legítimos representantes dessa proposta e podem ser usados em uma produção mais sóbria ou com ousadia em um mix com estampas florais e coloridas.

Cleo by Marcio Rodrigues  (1)

Comprimentos – Saias e vestidos midi são superelegantes e têm influência forte das nossas antepassadas. A elegância da peça é garantida. Os casacos e jaquetas também têm proporções mais exageradas.

Cleo by Marcio Rodrigues  (9)

Golas – Como não podiam usar decote e a regra era mostrar menos o corpo, as mulheres usavam camisas com decote reto ou golas altas, que não chegavam a ser rulê, mas  eram bem fechadas no pescoço.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Tecidos – Os materiais estruturados, como o couro, remetem à época, mas o mix com tecidos leves deixa o resultado bem delicado.

Por ter um apelo masculino, geralmente com propostas mais largas e menos sensuais, essas peças ficam ótimas em produções com tendências bem femininas, como animal print, rendas e muitos acessórios.

O olhar vintage da moda propõe produções femininas com golas marcantes em destaque. Sejam altas, rulês, laços ou assimétricas elas se tornaram protagonistas dos looks da temporada de inverno 2016. Para a estação, um detalhe chama atenção: elas também podem ser usadas como acessórios à parte. Veja a nossa seleção de peças que não podem faltar no seu closet:

Rolê

Com clima esportivo e herança dos anos 60, propõem uma silhueta esquia e elegante.

Laço

catalogo_Cleo_AW_16.indd

As camisas com gola laço, conhecidas também como “pussybowblouse”, invadiram o guarda-roupa das mulheres. Forte referência aos anos de 70, a gola pode ser usada com um semilaço, um laçarote pomposo, um nó ou simplesmente solta.

Alta

Os vestidos com golas altas e mangas compridas são ideais para balancear as produções de festas que,muitas vezes,pedem transparências e comprimentos curtos.

Assimétrica

catalogo_Cleo_AW_16.indd

O decote assimétrico se confunde com as extremidades da gola, formando uma produção moderna e sofisticada.

Acessório

Adotada como um recurso de styling, a gola deixa de ser apenas uma parte da camisa e ganha espaço para compor looks mais descolados. Por ser independente do restante da produção, é possível dar cara nova para a roupa toda vez que você usá-la.

Os vencedores do Oscar 2016 só serão conhecidos no dia 28 de fevereiro, mas os filmes, atores, trilha sonora, fotografia e muitas outras categorias já podem ser conferidas nos cinemas. Os figurinos bem trabalhados sempre chamam atenção dos cinéfilos principalmente aqueles que traduzem décadas passadas. Nessa temporada, os looks delicados, românticos e super femininos já entraram no radar fashion e merecem ser copiados! Se inspire:

A Garota Dinamarquesa – Quatro indicações ao Oscar

catalogo_Cleo_AW_16.indd

A obra se passa na década de 20 e conta a história de Lili Elbe, que nasceu Einar Mogens Wegener e foi pioneira na realização da cirurgia de mudança de gênero. O foco do filme é no relacionamento de Einar com a esposa, a pintora Greta Wegener, e sua descoberta como mulher. Os anos 20, época da libertação feminina, revela uma moda nada conformista. Livres dos espartilhos, as mulheres passam a usar vestidos soltos que revelam um pouco das pernas com seu comprimento mídi. A silhueta é tubular e os tecidos levíssimos. Para entrar no clima, combine com colares de pérolas e minibolsas.

Carol – Seis indicações ao Oscar

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Habitada nos anos 50, a película conta a história do envolvimento de duas mulheres. Os preconceitos e ignorâncias da época em relação ao universo homossexual são registrados com muita delicadeza. O período revela trajes no melhor estilo lady like: cintura marcada, saia godê, tons pastel, cinto fino, saltos altos e luvas. A década de 50 anunciava o fim da crise do período de guerra e o retorno à exuberância. Nascia ali um clássico, influente até os dias de hoje, principalmente em roupas de festa e produções que buscam uma clássica elegância. Abuse dos acessórios dourados, como pulseiras e colares poderosos e óculos de sol no melhor estilo retrô.

Trumbo – Uma indicação ao Oscar

catalogo_Cleo_AW_16.indd

A cinebiografia estrelada por Bryan Cranston, que concorre ao Oscar de melhor ator, conta a história do roteirista Dalton Trumbo que tem uma história singular em Hollywood. Apesar de ter escrito algumas das histórias de maior sucesso da época, como A Princesa e o Plebeu (1953), ele se recusou a cooperar com o Comitê de Atividades Antiamericanas do congresso e acabou preso e proibido de trabalhar. Mesmo quando saiu da prisão, Trumbo demorou anos para vencer o boicote do governo, sofrendo com uma série de problemas envolvendo familiares e amigos próximos. O filme se passa entre a década de 1940 e 1970 e revela muitos looks que não deixaram de fazer parte do guarda-roupa da fashionista. Os anos 40 traz a silhueta militar, com ombreiras marcantes, corte reto, tecidos pesados e resistentes como o tweed.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Já os 60, era da liberação sexual, apresenta ao mundo a minissaia. A moda ganha liberdade com tops juntos e pernas à mostra.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Os anos 70 revela a alfaiataria e a queridinha calça flare, propondo looks elegantes, cheios de personalidade.

Elas aparecem nas renomadas semanas de moda, as marcas adotam e começam a recriar, as fashionistas usam e, pouco tempo depois, dominam o street style. Esse é o caminho geralmente percorrido por uma peça até que vire uma tendência. Vez ou outra acontece o processo contrário: ela surge nas ruas, sendo inserida posteriormente nos desfiles. Fato é que alguns modelos acabam caindo em desuso, após serem usados à exaustão, já outros ganham novas roupagens a cada estação e nunca mais saem de cena, se tornando verdadeiros clássicos.

Nos últimos anos, vimos muitos itens fashion se eternizando, garantindo seu lugar no closet das brasileiras. Eles são ótimos investimentos para quem quer um guarda-roupa mais inteligente, com menos trends e mais modelos atemporais.

Colete e kimono – A terceira peça é uma excelente opção para injetar elegância ao look. Para quem gosta de estampas e influência oriental, os kimonos são must have. Outra dica são os maxi coletes, que também já viraram hit.

kimono

Midi – Elegante por si só, esse comprimento é aposta de diversas grifes há muitas temporadas. Na hora da escolha, opte pelo que fica melhor de acordo com a sua altura: um pouquinho abaixo do joelho para as mais baixinhas e acima do calcanhar para as mais altas.

Franja – Fortes nos anos 1970, elas voltaram com muita intensidade e têm sido vistas há algumas temporadas. Seja nos looks invernais, dentro das propostas boho e folk, ou até em itens de verão e acessórios, as franjas não vão sair das ruas tão cedo.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Slip dress – O vestido-camisola aparece nas passarelas desde 2010. Com alcinha fina, eles têm shapes retos e geralmente são feitos de tecidos levinhos, como seda ou cetim. As apostas certeiras para arrematar a produção são os acessórios e as terceiras peças.

Cropped – Os tops mais curtos, que deixam um pedaço da barriga à mostra, tornaram queridinhos e são usados em looks diurnos e noturnos. Ele pode ser mais comprido ou mais curtinho, variando de acordo com o gosto e o shape de cada uma. Um segredo para quem não se sente à vontade com o item é optar pela parte de baixo de cintura alta, que ainda ajuda a modelar a silhueta.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Quando escolhemos uma blusa mais simples e não queremos ser básicos, recorremos aos acessórios para dar um arremate ao look. O problema é que nem sempre é fácil eleger que tipo de colar usar para cada decote do top. A ideia principal que se deve ter em mente é que a bijoux serve como complemento, então ele deve seguir, de alguma forma, a forma da blusa (ou do vestido). Veja como não errar na escolha:

redondo

Redondo: Esse tipo deve ser usado com colares no mesmo formato, preferencialmente que acompanhe o desenho, para que aparente ser um detalhe da própria peça.

quadrado

Quadrado: Opte pelos mais curtos, que se aproximam do pescoço.

Screen-Shot-2015-06-24-at-14.33.43

Fechado: Para as camisas sociais ou outras que não deixam o decote à mostra, a dica é o colar tipo gola, também chamado de necklace.

decoteV

Em V: Use colares compridos e, preferencialmente, que tenham o centro maior, seguindo a proposta do top.

golarule

Gola rulê: Os modelos maiores, com pingente na ponta, são ideais.

golacanoa

Canoa: Escolha gargantilhas finas e delicadas, para que não polua demais a produção. O comprimento vai do estilo pessoal.

tomaraquecaia

Tomara que caia: Peças curtas que emolduram o pescoço caem muito bem. Os chamativos, com pedrarias e correntes são boas pedidas.

Enquanto as campanhas do inverno 2016 são fotografadas, a turma fashion já elege as principais tendências que prometem fazer sucesso quando as temperaturas caírem. Depois de acompanhar as semanas de moda nacionais e internacionais, chegou a hora de escolher as peças que não podem faltar em seu guarda-roupa.

catalogo_Cleo_AW_16.indd

Ombros à mostra

O inverno ameno brasileiro permite algumas doses de ousadia, como os ombros de fora. Para a temporada, marcas mineiras apostaram nos decotes gipsy tomara-que-caia e nos recortes estratégicos. O detalhe promete dar frescor às diversas produções.

Gola alta

As golas rulês que já haviam dado as caras na temporada passada seguem firme para o inverno. Herança dos anos 60, elas propõem um silhueta mais esguia e elegante.

Minimalismo da moda festa

A tradicional moda festa mineira oferece muitas opções de peças bordadas em ricos trabalhos manuais. Mas, para o inverno 2016 a leveza ganhou lugar. Cores lisas e sóbrias, brilhos pontuais e rendas localizadas compõem os chamados “minimal dresses”.

branco

Branco

Os tons pesados do inverno foram substituídos pelo queridinho total white do verão. As produções iluminadas prometem trazer conforto para a estação mais fria do ano.

Capa

Além de complementar o look com muita sofisticação, a capa pode fazer a vez de um casaquinho nos dias de frio. Ideal para as produções de festa.

camurca

Camurça

O espírito do velho oeste norte-americano ganhou espaço nas coleções que elegeram o camurça como protagonista.Os tons naturais como bege e camelo aparecem em produções divertidas e elegantes.

Tradicionais na moda durante o século XIX, as mangas volumosas voltaram a aparecer nas passarelas e se tornaram, mais um vez, protagonistas nas blusas, vestidos e até macacões. Grifes como GucciMoschino, Lanvin, Fendi e Miu Miu trouxeram uma nova modelagem para elas em seus últimos desfiles. Cheias de pompa, surgiram com camadas, detalhes e texturas. Passar despercebida parece não ser mais o objetivo.​

Nas semanas de moda internacionais deste ano, o foco estava nelas. Amplas, volumosas, com recortes especiais… O que não faltaram foram formas de chamar a atenção para esse detalhe que passou a dominar o look.

Mesmo para quem não quer voltar no tempo e apostar em peças muito estruturadas, a dica é apostar na tendência sem muita ousadia. Veja algumas inspirações:

Amplas – sabe aquelas que são largonas em todo o comprimento? Parece que esse tipo vai dominar as ruas. Mesmo compridas, elas podem ser usadas no verão, pois costumam ser feitas de tecidos mais leves.

amplas

Sino – esse tipo de manga não é exatamente uma novidade, pois vem chamando a atenção há algum tempo e está bem presente nas ruas. Para a estação, vale tirar as peças do armário.

sinosino (2)

Com detalhes e recortes – outra dica para usar no verão são as mangas com detalhes, rendas, recortes diferentes. Fresquinhas e muito modernas, elas são ótimas para noites quentes.

detalhes